20/12/2015

Carta aberta ao Prefeito de Salvador, ACM NETO

Inauguração da quadra da Vila Brandão, dia 20.12.2015

 Senhor Prefeito,
A prefeitura de Salvador esta construindo/ entregando 95 quadras e campos em diversos locais da capital. Os investimentos declarados são da ordem de R$ 10 milhões, sendo R$ 1 milhão da iniciativa privada. O Senhor esta aqui hoje para inaugurar a quadra da Vila Brandão.
Na Vila Brandão?
Na Vila Brandão, a quadra esta sendo costruida pelo Yacht Clube, que fala de uma obra no valor de 300.000.- Reais. O Yacht Clube, que não é uma associação beneficente, ofereceu essa obra a comunidade em troca de que?

Existe um contrato de comodato entre o Yacht Clube e a Paróquia da Vitória, que afirma que toda a zona verde em redor a Vila Brandão, uma zona de proteção ambiental, o campinho em questão de 1.000m2 mais uma área de 3.500 m2 – é de propriedade do Yacht Clube. Isso sem comprovar devidamente essa afirmação na frente das autoridades. 
Em outras palavras: no contrato, o campinho, de posse da comunidade, se torna quadra de propriedade do Yacht Club. A comunidade tem direito ao uso só pelos proximos 25 anos, sem garantia de que o prazo será esse mesmo! 
… e - porque se faz um contrato entre o Yacht Clube e a Paróquia, se estamos falando sobre as posses de área de lazer e de trabalho da comunidade?…??? A comunidade não tem voz válida?
Porque a Prefeitura Bairro, com o programa Ouvindo nosso Bairro, onde depositamos pessoalmente o pedido para uma praça de lazer com quadra, não nos ajudou?

Desde o inicio da construção da quadra, guardas armadas ficaram vigiando a obra 24 horas/dia. Como primeiro passo, o Yacht Club cercou toda a zona verde – terra da União, deixando apenas uma pequena entrada ao mar. A obra da quadra foi feita em tempo record (rápido), considerando a fundação, digna de um estacionamento: 20 sapatas e uma placa de cimento de 1 metro de espessura.

O alvará de construção foi liberado sem avaliação ambiental da obra.

As obras referentes aos estaleiros, devastaram completamente a zona de proteção ambiental de 3.500m2.

Existe um parecer ambiental sobre essa construção?
Existe um alvará de construção para essa obra em terra da União?

Nós, moradoras da Vila Brandão, que quisemos ter certeza da legalidade dessa ação, procuramos então os órgãos públicos. Por esse motivo,  fomos ameaçadas, intimadas pela delegada titular da polícia civil na Barra, Dra. Carmen Dolores por calúnia e perseguidas pela SUCOM com guardas municipais armados até os dentes!

Senhor Prefeito,
nos outros bairros, tem condições parecidas, quando vc inaugura uma quadra?
A manutenção das quadra é com a prefeitura, ou fica na mão de associações carentes de financiamento próprio?

Na comunidade Vila Brandão falta muito:
Em primeiro lugar o acesso digno para os moradores da comunidade. A descida é íngreme, a escada irregular, falta pavimentação, faltam escadas, falta contenção, canalização das águas de chuvas etc... Para os idosos, a subida é impraticável.
Para os pescadores, não tem mais lugar para concertar os próprios barcos, a subida com os barcos é quase impossível.
Falta iluminação pública – falta limpeza urbana!

Não tem uma praça pública para reunião. Não tem modulo de polícia nas vizinhanças, mas a polícia civil desce com arma em punho para intimidar os moradores. 
Isso é o modelo que a cidade oferece para educar as crianças?

A Vila Brandão é uma comunidade que não tem tráfico de drogas, onde não tem crime, não tem criminosos… é uma comunidade pacífica.
Até hoje, a prefeitura não investiu praticamente nada na comunidade, mas tudo mundo paga IPTU.

Quando vamos receber a escritura das nossas casas? A comunidade existe há mais de 80 anos.
Porque a prefeitura não investe nada numa comunidade modelo?
Porque vc vem inaugurar uma obra que a prefeitura não pagou?

Prezado prefeito,
Queremos legalização já – 
queremos escritura para as nossas casas.
Queremos uma praça.
E queremos uma área de conservação natural – 
pelo futuro das nossa crianças, 
pelo futuro da cidade!
Queremos a nossa praia, o lugar para os nossos barcos.

Queremos respeito!

Silvia Jura / antropóloga, moradora da Vila Brandão.

04/11/2015

Domingo em ação: zona verde e praia publica na Vitória


Amig@s! O domingo no parque da Vitória é nosso! 
Divulgam, apoiam, participam! 
Precisamos de vocês! A cidade quer esse parque, quer uma descida descente ao mar, quer uma comunidade modelo! A zona verde é nossa, é sua, é da cidade!
O campinho, a praia - tudo nosso - tudo da comunidade - tudo da cidade!
O espaço de lazer da Vila Brandão é o último acesso público ao mar na Vitória - 
O YACHT CLUBE quer privatizar-lo, construindo mais estaleiros para mais lanchas - mais poluição sonora e poluição do mar! 
A festa vai ser boa --- as 10:00 começa o projeto SUP na Brandão:  Stand UP Paddle!
E olha só, vai ter a campião mundial de SUP Babi Brasil e o nosso campião de triatlon Aleyson Leite, morador, nascido e criado na Vila Brandão que vão nos ensinar esse esporte maravilhoso!


Um café da manha delicioso vai ser oferecido… e vamos discutir sobre a invasão atual do Yacht Clube nas terras da União, na posse da Vila Brandão. Vamos falar do projeto imobiliário do Yacht Clube, apoiado pela igreja da Vitória, numa zona não edificavel, a última zona permeavel, um cinturão verde, onde tem uma variedade de passaros e micos -  para construir mais estaleiros, ganhar mais dinheiro e mais dinheiro e mais dinheiro… deixando a comunidade estrangulada entre o cemento dos ricos!
Vamos falar de ameaças institucionalizadas, do comportamento dos oligarcos contra o povo, do desmatamento que esta acontecendo na Vitória em pro da construção de prédios e mais prédios…

Joaquina Lacerda Leite vai apresentar o seu novo livro de poesias e reflexões: AMORES e PRECONCEITOS. Jina Carmen Souza, atriz, declamadora de poesias, arte educadora e coordenadora do projeto de educação na Casa Matria esta convidando as colegas para uma sarau de poesiaAmetista  Souza, Jeane Sanchez já confirmaram presença.



Célia Mara vai cantar as suas musicas rebeldes para nos… e esperamos mais amigos com tambor e violão chegando!
O dia vai se encerrar com roda de capoeira com mestre Veru e uma roda de samba com os jovens da Vila Brandão.

28/10/2015

O Parque da Vitória - projeto de uma cidade modelo


Vamos socializar o privilégio do por do sol mais lindo de Salvador, 
do mar cristalino em piscina natural, de fontes naturais históricas e 
de uma zona verde com alta biodiversidade!
Vamos lutar pela realização imediata do parque da Vitória!
Assine já!


O Parque da Vitória visa salvar o último acesso público ao mar na Vitória a população de Salvador. Se trata de oferecer uma zona verde pública, de descanso e de lazer, aliado à estratégia de conservação da natureza. O projeto fortalece o diálogo entre as classes sociais e a inclusão social e cultural dos moradores das comunidades de baixa renda da zona e dos bairros nas vizinhanças: Vitória, Graça, Canela, Barra…
O parque cria espaço de lazer, de esporte e fonte de renda para os moradores da Vila Brandão e ajuda evitar os avanços de ocupações, especulação imobiliária e degradações ambientais.
A requalificação sócio-ambiental da zona verde permitiria o saneamento ecológico local, haverá influenza positiva sobre a qualidade das águas do mar e a diversidade dos peixes e corais.
Será também a base para a criação de uma pequena economia de agro-floresta e de rendas para as mulheres da comunidade, pra serem comercializados nos bairros nobres das vizinhanças. Permitiria a exploração da pesca artesanal.
Se trataria de uma zona de encontro social, permitindo o dialogo e a integração social.
O parque da Vitória poderia ser o complemento ao novo mirante da Vitória, socializando o ultimo acesso ao mar na Graça, Vitória e permitindo a população dos bairros vizinhos o acesso a uma zona publica de descanso e de lazer.


• Atividades requeridas:
1. Requalificação do meio ambiente com plantação de arvores frutíferas e nativas da Mata Atlântica.
2. Proteção dos animais silvestres, dos pássaros, periquitos, micos, tartarugas do mar e demais animais nativos do lugar
3. Facilitação do acesso ao mar, com uma escada do mirante da Vitória até o mar.
4. Requalificação do acesso as nascentes e fontes naturais do parque
5. Implantação de trilhas de educação ambiental.
6. Requalificação do campinho de bambu existente como playground ambiental educativo, campinho de esporte e praça de lazer, seguindo critérios ecológicos
6. Formação profissional de moradores da Vila Brandão num programa ambiental para cuidar do parque


Presente do dia das crianças: nova invasão ilegal de áreas publicas pelo Yacht Club

O Comodoro Marcelo Sacramento no dia das crianças na Vila Brandão - dia 10.10.2015
Foi uma festa especial - o dia das crianças na Vila Brandão. Como podemos ler no site do Yacht Clube,  "O Yacht Clube da Bahia promoveu, no campo de futebol da comunidade, um evento dedicado ao Dia das Crianças, com direito a brincadeiras, equipe de animação, brinquedos e um lanche coletivo. (…)festa, que contou ainda com a presença do Comodoro Marcelo Sacramento, do Vice-comodoro Social, Roberto Duran, e do Conselheiro Nato, Jonny Brussel." 
Foi a segunda festa das crianças oferecida pelo Yacht Club nos 80 anos de convivência com a Vila Brandão! Parabéns Iate, pelo grande empenho social com a comunidade! 

Yacht Clube da Bahia: invasão de terreno público, na Vila Brandão - dia 27.10.2015
Estou me perguntando se já foi anunciado, nesse dia de alegria comprada, o inicio da invasão imobiliária do Yacht Clube na zona verde publica que começou ontem, 27.10.2015. Chegaram engenheiros e trabalhadores, e começaram a cavar o solo – para preparar as colunas de novos estaleiros! O Yacht Clube esta sem legitimidade, a questão já esta na mão da justiça.

Yacht Clube da Bahia: invasão de terreno público, na Vila Brandão - dia 28.10.2015,
mostrando também a última invasão de 03.2015, com muro realçado
E aqui, ninguém se cala! A Vila Brandão, os moradores da Graça, da Vitória, da Barra, a sociedade civil e os poderes políticos com visão de uma cidade humana, ecológica, se unem, para dar uma resposta:

O projeto do Parque da Vitória - assine já a petição para realização imediata 

PARQUE DA VITÓRIA

O último acesso público ao mar na Vitória terá um parque socio-ambiental. Esse parque vai socializar o privilégio do por do sol mais lindo de Salvador, do mar cristalino, de fontes naturais históricas e de uma zona verde com alta biodiversidade ás populações da Graça, Vitória, Barra, incluindo ás comunidades locais de baixa renda. 
Tem petição para a realização imediata - 

08/10/2015

O uso do poder publico como corpo de repressão



Que dia! Enquanto tomamos o nosso café da manha, recebemos uma visita inesperada, de muitos homens – entraram só uns cinqo, mas na frente da porta e na entrada da comunidade esperavam mais cinqo guardas municipais armados até os dentes, com metralhadoras na mão. Já sabemos de uma outra visita anterior, onde eles não nos acharam. Chegando também com cinco homens armados…  E tudo isso comunicado pela ASCOMVIBRA como troféu na luta contra… o que?!


Estou me perguntando o que esta acontecendo: a SUCOM vê interditar a nossa MEI em formação, ainda antes do prazo da formalização. Vem uma primeira vez, sem achar nada; vem uma segunda vez, sempre sem achar nada. Agora, foi a terceira visita. Sempre antes dos prazos estabelecidos por eles mesmos - e nos, na legalidade completa, seguindo os passos administrativos.

Parece bem estranho, não é?  A nossa casa é e sempre foi uma casa aberta, cheia de gente do mundo inteiro. É uma residência artística e de pesquisa, sem fins lucrativos, onde estamos construindo um projeto de Bem Viver. Recebemos amig@s artistas e pesquisadores do mundo inteiro para trabalhar juntos num conceito de uma sociedade mais justa, mais ecológica, mais feminista…

A SUCOM vem interditar – sem saber o que eles procuraram exatamente. Será que se trata do projeto de educação oferecido por uma Educadora de Arte, são as aulas de Capoeira, é produção musical - os nossos projetos para 2016? O sera a nossa hospitalidade, as visitas d@s noss@s amig@s? O trata-se simplesmente impedir de comentar no Blog www.casamatria.net?



Estamos incomodando alguém, propagando os direitos da comunidade, agitando contra um contrato de comodato ilegal entre o Iate Clube da Bahia e a Igreja da Vitoria, apoiado pela ASCOMVIBRA. 
As nossas atividades no dia dia, explicar detalhes desse contrato de comodato e as suas conseqüências de perca dos direitos de território á população da Vila Brandão, assim como facilitar o acesso aos direitos garantidos, chamando a intervenção da Defensoria Publica para apoiar os moradores, estão disturbando os grupos interessados num projeto de expansão imobiliaría facil.
Mas vivendo num pais democrático, respeitando as leis, protegidas pelas instituições democráticas e por um governo democrático, não vamos nos calar.
Casa Mátria é um espaço de sonhos, um lugar onde acreditamos num mundo melhor - num Bem Viver parar tod@s.  
E nem intriga, mentira o pressão institucional vão acabar com esse sonho.

PS: Só pra lembrar o assunto maior: O Iate Clube pretende tomar posse das terras verdes publicas da comunidade Vila Brandão para construir mais estaleiros - e oferece em contrapartida um contrato de comodato á Paroquia da Vitória, referente ao campinho da comunidade. A ASCOMVIBRA, associação de alguns moradores não legalizada, apoia essa ação.



25/08/2015

Iya Adunni Olorisha Susanne Wenger - do rio Oshun - em memorial



Babalorixá Anderson na Áustria

Julho foi um mês intenso, na Áustria. Foi um período de candomblé com Babalorixá Anderson nas instituições, na imprensa, nos museus, nos festivais… Um período para juntar povo de santo e amig@s, para conectar African@s, Brasileir@s, Latin@s e Austríac@s de todas as cores. Falamos muito de religião e cultura, de historia e atualidade, de direitos humanos, respeito, luta contra a intolerância religiosa e a discriminação racial.
Nos, Silvia Jura e Célia Mara, diretoras da globalista e da Casa Matria, queremos agradecer mais uma vez ao nosso Pai, Babalorixá Anderson de Oxalá do Ilê Axé Obatalandê pela presença absoluta, a força das suas falas e o empenho para construir perspectivas de um mundo melhor. Parecia um presente dos Deuses que nos conectou com as forças ancestrais do Brasil – na Áustria.

Aru Kuxipa e Ernesto Neto 

Foram os espíritos indígenas a acolher o Babalorixá no Aru Kuxipa, espaço sagrado dos Huni Kuin, montado temporariamente em Viena. O contexto: uma exposição do artista brasileiro Ernesto Neto, no museu tba21 em Viena, onde aconteceu um seminário sobre a cura e o poder das plantas sagradas. O livro das plantas sagradas dos Huni Kuin foi apresentado ao publico - declarando com esse ato tambèm a soverania dos povos Huni Kuin sobre a sabedoria das plantas - evitando futuras questões de patentes de empresas farmacéuticas americanas!

Susanne Wenger Foundation

E mais um encontro de grande Axé, nunca esperado, aconteceu: três dos grandes sacerdotes Ioruba trocaram Axé com Babalorixá Anderson na cidade de Krems, no interior da Áustria. A princesa de Oshun, sacerdota Adedoyin Faniyi Talabi Olosun, o sacerdote e artista Shangodare Gbadegesin Ajala e o sacerdote e artista Akintunde Sangosakin Ajala. Todos eles filhos e filhas adotivos de Iya Adunni Olorisha Susan Wenger. Susan Wenger foi uma artista plástica austríaca, sacerdota de Oshun, que viveu 60 anos em Oshogbo/Nigéria e consagrou a sua vida á defesa da cultura ioruba. Chamada pelo Ifá, ela foi encarregada de reconstruir os lugares sacros dos Ioruba, lugares de natureza, terreiros e casas dos santos. Constrói templos imensos, estatuas… Se criou um movimento artístico junto a ela, formado por jovens artistas ioruba – “the sacred art” - a arte sagrada. O que eles deixaram foi declarado patrimônio da humanidade pela UNESCO.



A luta para defender a diversidade cultural Ioruba é grande, na Nigéria também. É uma luta contra o abandono, o esquecimento, mas também contra os movimentos evangélicos pentecostais, contra o Islam. dominador e unificador. Susanne Wenger, iniciada como Olorisha, sacerdota Ioruba, foi uma pessoa cheia da poesia, mitologia e religião dos Ioruba. Ela se dedicou como artista contemporânea, visionária e livre com a clareza transcendental da sua arte, a preservação da cultura. Ela morreu em 2009. Em Krems, Wolfgang Denk, fundador do museu internacional de arte contemporânea “Kunsthalle Krems”, com a sua esposa, Martha Denk, abriram um espaço de lembrança a Susanne Wenger e as suas obras, a fundação Susanne Wenger – um espaço que acolhe artistas e ajude a difundir a cultura Ioruba no mundo. Agradecemos o Dr. Wolfgang Denk por ter nos recebido e aberto essa ponte com os grandes sacerdotes Ioruba.
Adupe Olorum! …


 
In the Studio with Sangodare from Rainer Doost on Vimeo.


11/08/2015

A difusão da cultura afro-brasileira na Austria

Num período difícil para Salvador, onde a especulação imobiliária esta se expandindo para dominar a cidade inteira, destruindo o patrimônio da humanidade protejido pela UNESCO, a cultura tradicional e bohémia, e - sobre tudo - calando a voz da população,  num momento de grande luta entre os interesses das oligarquias e da sociedade civil, nos nos concentramos na realização de um projeto em pro da difusão da cultura afro-brasileira na Áustria e da conscientização publica sobre os problemas atuais de Salvador.

Babalorixá Anderson no tba21, exposição de Ernesto Neto e do povo Huni Kuin


A Globalista convidou Babalorixá Anderson de Oxalá, parceiro da Casa Matria, para uma serie de eventos na Áustria. Foram dez dias de palestras, de encontros, de entrevistas e de construção de novas redes, divulgando o Candomblé,  o respeito da cultura afro-brasileira e do povo negro, da promoção da igualdade racial. Divulgamos a critica a intolerância religiosa e a gentrificação cruel da cidade de Salvador. 

Embaixador Evandro Didonet, Silvia Jura, Babalorixa Anderson,  Secretária de cultura Miriam Leitão

Entre os encontros oficiais, vale ressaltar o recebimento pelo Embaixador Brasileiro e a secretaria de cultura e o encontro com as maiores autoridades do culto aos Orishas na Nigéria, o grande sacerdote Highpriest Sangodare Gbadegesin Ajala e a princesa de Oxum, Doyin Olosun do Òsogbo/Nigéria.
Wolfgang Friedrich Denk, diretor da fundação Susanne Wenger e hospedes

O Babalorixá ofereceu falas e rodas de discussões sobre o Candomblé e a cultura afro-brasileira no Weltmuseum, no museu tba21 de Francisca Habsburg, no contexto da exposição de Ernesto Neto, no centro cultural Ku-Hof/Linz e 5 dias de palestras no festival africano Kasumama.


Fala de Anderson @ Kasumama
Anderson de Oxala deu varias entrevistas para a radio nacional, para radios privadas e TV, uma fala foi transmitida ao vivo numa TV-local, Silvia Jura foi entrevistada sobre a questão da gentrificação em Salvador.

Babalorixa Anderson na radio Orange


Weltmuseum Wien

Weltmuseum Wien - Babalorixa Anderson, Silvia Jura
Nos encontros preparatórios e tb. consecutivos, foram importante as trocas de informações com a UNESCO e com Auma Obama, irmã do presidente dos Estados Unidos.
Se abriram muitas cooperações novas, a rede para um mundo melhor, sem racismo e discriminação é uma rede internacional com gente solidaría no mundo inteiro.

Célia Mara e Auma Obama, a irmão do presidente Barack Obama


Seguem algumas fotos
Aru Kuxipa & Candomblê Weltmuseum Wien - Vortrag Babalorixa Anderson Kasumama Open Stage 2015




08/07/2015

No dia 20 de junho, a Casa Matria recebeu o Sarau do Audiovisual. 


Realizado em parceria com a produtora Cranium Audiovisual. O Sarau do Audiovisual é um evento de multilinguagens artísticas, tendo como base, um Cine-Clube.


A atividade foi realizada no Centro Cultural Casa Mátria, na Vila Brandão, Salvador-BA. 



Durante o evento foram exibidos filmes de artistas/produtores independentes e clássicos do cinema, seguido de discussões sobre os temas relacionados.



Em seguida aconteceu o recital de poesias que contou com a apresentação da Poetisa Luciana Estrela.



 Na sequência aconteceu o pocket show musical com Marcos Cacequi, o Urbano Poeta.



Além do mais, o evento contou também com o "Beijú Cinematográfico", mostras de artes visuais em roupas pelo Coletivo Mart e performances de convidados, como Tatiana Rocha e dos Residentes Luan Gusmão e Uri Menezes.

 

Visitem a Casa Matria, contribuam e desfrutem das nossas ações.
Parabésn Cranium Audiovisual.

Buen Vivir para tod@s!

01/05/2015

Casa Matria



 A Casa Matria inicia uma nova etapa no ciclo natural das construções sociais. Ampliando as possibilidades de fomentação cultural, estamos organizando atividades artísticas diversas, convocando grupos e qualificando o espaço físico para melhor atender. 

 Com o intuito de agregar, vamos trabalhando dia a dia nesta missão, sendo que necessitamos da vontade de todos para que algo grande aconteça. Dentre tantas atrocidades que acontecem no cotidiano da nossa cidade, temos a Casa Matria, como um ponto de paz e organização cultural. As lutas que envolvem nossa instituição são amplas; Ambiental, tendo em vista a verdadeira guerra desproporcional com grandes corporações que devoram o meio ambiente, a exclusão da população ao cotidiano artístico e da educação de base. Tantos problemas para citar, mas estamos dedicados em contribuir na diminuição destes danos sociais. 

 Outro ponto especifico desta luta é a união da sociedade civil, este que anda em passos lentos  e atrasados nos interesses pessoais, esquece que unindo as forças, vamos não somente melhorar a nossa situação pessoal, mas mudaremos um
todo. Com a proposta de informação para formação, estamos organizando cines clubes, saraus, encontro musicais, oficinas diversas, palestras, fornecendo espaço de ensaio, grupos de estudos. Sempre pensando em uma causa maior, o Buen Vivir, a relação humana e a arte que nos move diariamente.
A doação de cada envolvido será ponto chave desta luta.
Nossa bandeira é simples e justa, seguir nossa constituição de forma clara e defendendo o verdadeiro progresso, o bem estar.

Constituem objetivos fundamentais da República, segundo o artigo 3º:
1 - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.
Diz o art. 40 que a República Federativa do Brasil rege-­se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:
II - prevalência dos direitos humanos;
III - autodeterminação dos povos;
IV - não-intervenção;
V - igualdade entre os Estados;
VII – solução pacífica dos conflitos;
VIII - repúdio (...) racismo;
IX - Cooperação entre os povos para o progresso da humanidade.
No art. 5º estatui a Constituição Brasileira que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito ã vida, à liberdade, à igualdade, á segurança e à propriedade.


  
    


26/03/2015

A Vila Brandão e o cavalo de Troia

Parece um presente dos Deuses – a comunidade Vila Brandão, localizada na encosta da Vitória, foi procurada pelos seus vizinhos poderosos para receber benfeitorias maravilhosas:
Um campinho de futebol digno, uma escada que desce até o mar, um dia das crianças com presentes, churrasco, bingo e festa para todos!

(fotos © ASCOMVIBRA / facebook/vilabrandão)


Tudo beleza, questão de responsabilidade social, um projeto de integração entre os bairros nobres e a ultima comunidade no meio…  o tem algo atrás dessa benfeitoria, que não seja visível no primeiro momento?

O Iate Clube tomou a frente. Se mostrou generoso, dessa vez, vindo com presentes e palavras doces. Veio para negociar uma “benfeitoria” á comunidade, afirmando no mesmo momento de ser o dono legítimo de toda essa zona verde na encosta da Vitoria, localizada ao redor, no baixo da Vila Brandão, na frente ao mar.

Se trata de uma zona verde de aprox. 4500 m2, onde tem um campinho de bambu, que sempre foi na posse da comunidade – o único lugar de lazer para as pessoas morando em casas pequenos, em becos estreitos, sem ventilação. É uma área onde os jovens da comunidade troquem os primeiros beijos e os meninos vão para “esfriar a cabeça…”, é lá onde vive uma multidão de pássaros, onde as plantas sagradas do Candomblé tem espaço para se multiplicarem.
E, sobre tudo, se trata de um pequena praia (grande parte da costa já foi invadida e privatizada pelo Iate Clube nos últimos 10 – 15 anos). Essa praia é a última praia publica da Vitória, oferecendo uma piscina natural para mergulho, um aquário cheio de peixes de todas as cores, espécies protegidas, corais… 
O Iate Clube gostaria ter um quebra-mar para criar mais vagas molhadas para os barcos deles. É a praia dos pescadores da Vila Brandão, é o lugar de lazer das famílias nos domingos, é o mar – um lugar para todos que gostam de um pouco de paz.



O Iate Clube estava com muita pressa para começar as obras de benfeitoria. A ASCOMVIBRA, associação de moradores criada recentemente, não aceitou nenhuma opinião contraria á construção do campinho.
E assim, o Iate Clube começou com as obras no inicio do mês de março, colocando tubos grossos do largo da Vitória até a comunidade, para descer o material de construção. Os tubos passaram na escada, dificultando ainda mais a descida íngreme, numa escadaria quebrada, irregular e estreita. Chegou muito material; vieram engenheiros, trabalhadores, limparam o campinho, mediram…  aprontaram o trabalho.
 


Rápido, no primeiro dia, eles fecharam com uma cerca alta de maderite uma obra que já foi embargada há anos, uma área de cimento que era de uso da comunidade, na beira do mar.  Agora, o acesso esta fechado pelos moradores.


No campinho de bambu, já tinha uma vez uma praçinha com brinquedos, oferecida por um prefeito á comunidade. Já tinha uma escada para descer lá, construído pela comunidade com o apoio dos vizinhos da casa Amarela.
Isso tudo foi destruído pelos homens do Iate Clube, há um 7 anos, que chegaram armados para tirar o brinquedo e jogar ele no mar.

E agora? Eles mudaram de idéia? Começaram de gostar da comunidade?

O presente oferecido é um cavalo de Troia: lindo, bonito, brilhante… com a bomba para estourar apenas aceito.
O Iate Clube ofereceu um contrato de comodato para o uso do campinho, de 1000 m2 a ––– Paróquia da Vitoria! Uma esquadra de esporte multifuncional, moderna, de concreto… no lugar do campinho de bambu, de posse da comunidade. O padre será o responsável do projeto.
E a associação ASCOMVIBRA, que se diz representante da comunidade, não assinou nada – dizem eles – mas pretendem que vão receber tudo! Acreditam que o campinho será da comunidade, em uso temporário. Um contrato de 25 anos (com clausulas que ninguém conhece) entre a Paróquia e o Iate Clube. Detalhe interessante: a chave do campinho fica na mão do padre. Depois desse prazo, acabou o acesso da comunidade ao campinho.
A ASCOMVIBRA aceita a tomada de posse da praia e de toda a zona verde, uma aérea de 4.000 m2 pelo Iate Clube em “contrapartida” da quadra poliesportiva. O Clube pretende construir estaleiros de 3 andares nessa ultima zona verde publica da Vitoria. E fechar tudo com um muro para impedir o acesso dos moradores. E o acesso ao mar, a praia no futuro… fica nas nuvens!
Toda a ação é completamente intransparente – a tal ponto que, a semana retrasada, foi chamada a Ouvidoria Publica do Estado da Bahia para investigar em pro da comunidade.
Eles vieram no local – e decidiram de convidar todas as partes interessadas numa audiência publica – dia 27.03.2015.
Foram convidados o Iate Clube, a Paróquia da Vitória, o prédio Wildenberg, a ASCOMVIBRA e todos os moradores e vizinhos interessados. Foi convidado também um representante da Prefeitura, o coordenador do programa Ouvindo Nosso Bairro, que já se comprometeu de realizar as melhorias necessárias para a comunidade.
O prédio Wildenberg, também, no processo do alvará de construção, foi obrigado de oferecer uma contrapartida social a comunidade.



A penas chegou o convite da Ouvidoria, o Iate Clube parou as obras. Retirou os tubos, tirou o material de construção do campinho, desfez todas as traças. Os trabalhadores sumiram de novo no território cercado do Clube.
Algumas pessoas da comunidade ficaram revoltadas com os moradores que apresentaram argumentos contra o projeto do campinho e defenderam outros caminhos, um clima de agressão se criou!
Acabou o sonho do grande presente?
O cavalo de Tróia ainda esta esperando o momento dele…

Informações detalhadas:
Responsável pela edição: Silvia Jura – Célia Mara  
Tel: +71-9390-6947